UHE Igarapava
Monitoramentos

ICTIOFAUNA

O Monitoramento da Ictiofauna da área no reservatório e no Sistema de Transposição de Peixes da UHE Igarapava está sendo executado no rio Grande e em oito tributários (ribeirão Santa Rita, Córrego da Divisa, dos Dourados, Cana Brava, Borá, São Pedro, ribeirão Mato das Frutas e Lagoa da Fazenda Macaúba). De modo geral, pretende-se com a execução do estudo avaliar em caráter qualitativo e quantitativo a estrutura da comunidade ictiofaunística presente na área de influência direta da UHE Igarapava e no interior do Sistema de Transposição de Peixes (STP), e com base nesse conhecimento, buscar a redução dos impactos deste empreendimento sobre a ictiofauna local. Especificamente, espera-se deste projeto:

  • Caracterizar a comunidade ictiofaunística presente no Sistema de Transposição de Peixes (STP) e na área de influência da UHE Igarapava quanto à composição e abundância relativa das espécies;
  • Estimar as produtividades em número e biomassa através do cálculo da CPUE (captura por unidade de esforço) da comunidade de peixes presente no STP e na área de influência da UHE Igarapava;
  • Avaliar a atividade reprodutiva das espécies de ocorrência no STP e daquelas que se mostrarem mais abundantes e/ou de importância ecológica amostradas nos pontos localizados na área de influência da UHE Igarapava;
  • Determinar a composição da comunidade de peixes que utilizam o STP e estão presentes no reservatório e a jusante do barramento;
  • Comparar os resultados obtidos em estudos anteriores;
  • Avaliar a presença de ovos e larvas de peixes no reservatório e seus principais tributários;
  • Relacionar os dados obtidos no monitoramento do STP com os dados obtidos nos pontos a montante e a jusante do barramento;
  • Elaborar relatórios para cada campanha realizada, sendo três (03) relatórios parciais e um (01) relatório consolidado por ano, contendo informações pertinentes aos monitoramentos em execução.

O relatório com o resultado consolidado do ciclo 2017 – 2018 está em anexo:


Coleta de peixes no reservatório

Coleta para análise de ovos e larvas

Cascudo

Prochilodus lineatus

Leporinus friderici
 

LIMNOLOGIA

O monitoramento limnológico é o estudo científico das extensões de água doce tais como lagos, pântanos etc. incluindo, por vezes, águas correntes com respeito a suas condições ou aspectos biológicos, químicos, físicos, ecológicos entre outros. No monitoramento limnológico são analisados 12 pontos distribuídos no reservatório e a jusante e os dados são inseridos em relatórios trimestrais e consolidados. As coletas são realizadas em quatro campanhas sendo duas no período chuvoso e duas no período de estiagem. Os resultados obtidos são comparados com as normas ambientais vigentes. O monitoramento limnológico tem por objetivo:

  • Avaliar a qualidade da água do reservatório e das estações localizadas a montante e a jusante do reservatório, em termos físico-químicos e/ou biológicos;
  • Verificar a densidade e o número de taxa das comunidades fitoplanctônica e zooplanctônica no reservatório, com ênfase no fitoplâncton, devido ao risco de ocorrência do processo de eutrofização. Avaliar também a população de cianobactérias nos ambientes lêntico e lótico, já que muitas espécies destas algas são produtoras de toxinas;
  • Continuar o trabalho de monitoramento que vem sendo realizado na UHE de Igarapava.

O relatório com o resultado dos dados consolidados do ciclo 2017 - 2018 está em anexo:


Ponto de coleta IG 11 - Corrego dourados.

Ponto de coleta IG 16 – Corrego Santa Rita

Ponto de coleta IG 110 – Jusante do reservatório

Ponto de coleta IG 120 - Trecho distal do Reservatório

Ponto de coleta IG 130 - Reservatório

Ponto de coleta IG 150 – Reservatório

Ponto de coleta IG 200 – Proximo a barragem
 

MACRÓFITAS

As macrófitas são componentes muito importantes nas biocenoses do ambiente aquático. Constituem fontes de alimentos e abrigo para reprodução e proteção de inúmeros organismos aquáticos. Também são importantes na promoção de heterogeneidade espacial e sazonal, promovendo maior diversidade de habitats, com reflexos na diversidade biológica do sistema. Um programa de manejo integrado das plantas aquáticas em reservatórios tem como premissa um levantamento sistemático da composição específica e das densidades populacionais das macrófitas presentes. Cada levantamento representa uma situação momentânea, mas a repetição sistemática destes permite uma visão dinâmica da comunidade de macrófitas, podendo ser previstos fluxos populacionais ou detectar introdução de espécies exóticas. São realizadas duas campanhas durante o ano sendo uma no verão e outro inverno e os resultados do último ciclo estão inseridos no relatório anexo:


Espécie Ludwigia repens

Flor da Ludwigia sedoides

Ponto de monitoramento córrego do Fundão/Igarapava – MG

Vista geral da espécie Eichhornia azurea, no ribeirão Fundão

Vista geral da espécie Nymphaea odorata na região de Conquista
 

REFLORESTAMENTO CILIAR

Mata ciliar é o termo designado para as matas localizadas ao redor de rios e mananciais e são importantes, pois fornecem alimento aos peixes, pássaros e mantem a estabilidade das margens evitando erosões e carreamento de materiais para o Rio.

A implantação do Programa de Reflorestamento Ciliar na área em torno do reservatório da UHE Igarapava teve seu início em 1996, e até o momento foram implantados cerca de 499,02 hectares de mata nativa com sucessivas manutenções garantido a estabilidade da floresta implantada.

Desde esta data o programa segue com plantios anuais correspondentes ao período de chuvas e subsequentes manutenções o que irá favorecer no sucesso da implantação da mata. As florestas implantadas requerem procedimentos em etapas tais como limpeza do terreno, preparo do solo, plantio de mudas, controle das ervas daninhas e combate às formigas e replantio, que tem a finalidade de criar um habitat propício para o desenvolvimento das espécies plantadas; sendo que, normalmente as mesmas não conseguem em uma primeira fase o crescimento por si em função do mato, competição, infestação de formigas, invasão de animais entre outros.

A técnica utilizada nesse programa é a de sucessão florestal, que consiste na identificação e no plantio das espécies consideradas pioneiras e que têm um crescimento rápido inicial que irá favorecer o crescimento das espécies em estágio clímax, formadoras de florestas.

DADOS DE PLANTIO DA HIDRELÉTRICA DE IGARAPAVA
ANO DE PLANTIO HECTARES PLANTADOS
1996 22,80
1997 207,42
2000 22,47
2001 6,21
2003 19
2004 20,00
2005 20,00
2006 14,30
2010 48,82
2011 48
2012 26,67
2013 15,51
2014 4,40
2016 3,40
2017 17,52
2018 5,10

SISMOLOGIA

O estudo da Sismologia na avaliação dos diversos movimentos que ocorrem na superfície do globo terrestre buscando reconhecer e determinar em que circunstâncias ocorrem os sismos naturais assim como suas causas e distribuição sobre o globo terrestre, a fim de prevê-los em tempo e espaço sendo o único método geofísico adequado para estudar as profundezas da terra.

O trabalho de análise dos estudos sismológicos da usina hidrelétrica de Igarapava segue através dos dados que são executados por especialistas do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília – UnB com envio de relatórios anuais contendo a análise geral dos dados da estação e a análise detalhada de eventos excepcionais.

Os resultados dos dados obtidos no período estão disponíveis para acesso através do anexo (em breve)

BATIMETRIA

O estudo da batimetria é a medição da profundidade dos oceanos, lagos e rios e é expressa cartograficamente por curvas batimétricas que unem pontos da mesma profundidade com equidistâncias verticais, à semelhança das curvas de nível topográfico.

E um estudo importante no caso de reservatório para usinas hidrelétricas, pois faz um acompanhamento da profundidade do rio barrado pela construção da usina.

Com o decorrer dos anos o rio que antes era em lótico (água corrente) passa então para um ambiente lêntico (formação do lago). Este estudo da à noção exata da profundidade do então reservatório, distância entre as margens, cota de alagação do reservatório. Os estudos contemplados seguem a metodologia adequada conforme última tecnologia a fim de obter dados precisos.


Para consultar os dados advindos da batimetria entre em contato pelo e-mail conshiga@uhe-igarapava.com.br

Voltar Contato Facebook

Desenvolvido por ZONA Elétrica